Criatividade: Uma Abordagem Científica

16 de Agosto, 2017

CA @ ULusófona, Comunicação, Psicologia, Sociologia

Como Kilgour descreveu(1), em 2016, a investigação na área da criatividade não é algo novo, no entanto, só nos últimos anos tem ganho atenção significativa por parte da comunidade cientifica. Este súbito interesse deve-se à necessidade crescente de responder às rápidas mudanças e instabilidade no ambiente global a que hoje assistimos. Entender o processo criativo é, segundo o mesmo, essencial para conseguir “encorajar as próximas gerações a serem mais criativas”(1) e estarem aptas para ultrapassar desafios que irão enfrentar.

A definição clássica de criatividade, segundo a American Psychological Association (APA)(2), inclui dois componentes: originalidade e adequação, isto resume sucintamente as definições dos diversos autores apresentados anteriormente. A mesma fonte cita Simonton, para além de concordar com as componentes, ainda identifica dois tipos de criatividade denominadas de little-c e big-c.

A criatividade do tipo little-c apresenta-se como um “sinal de boa saúde mental”(2), representa a capacidade de resolver pequenos problemas do dia a dia que resultam da necessidade de adaptação à mudança. Por outro lado, a criatividade big-c é algo diferente e bastante mais raro, que ocorre quando alguém cria algo “que tem um impacto relevante na forma como as pessoas pensam, sentem ou vivem as suas vidas”(2).

Simonton descreve que a liberdade existente durante um processo criativo influência bastante os resultados do mesmo: enquanto um artista que provêm de “ambientes mais caóticos que lhe permitem criar de forma menos estruturada”(2) produz obras de arte, um cientista, recorrendo ao método científico estruturado e rigoroso, desenvolve “novas teorias avançadas no campo da física”(2). Pode-se concluir que a variação da estruturação do processo criativo não influência a sua classificação como little-c ou big-c — esta apenas depende do impacto final do trabalho na sociedade.

O mesmo autor refere também que um dos fatores importantes para atingir um tipo de criatividade big-c é ter um QI em torno dos 140, mas que, segundo estudos realizados na década de 20 pelo psicólogo Terman, este não é o único — é necessário também “algo mais”(2) ainda não compreendido pelos cientistas.

Ludwig estudou o trabalho de diversos cientistas e artistas e concluiu que aqueles que desempenham profissões artísticas, responsáveis pela criatividade menos estruturada, tinham uma maior probabilidade de ter ou vir a desenvolver distúrbios psicológicos(3). Em simultâneo Rothenberg (1999) (4), psiquiatra de Harvard, ao estudar diversos cientistas premiados reconheceu que para além de doenças como ansiedade e depressão serem mais prováveis nestes indivíduos são também “capazes de perturbar os processos cognitivos e emocionais”(3) necessários à criatividade. Estas novas descobertas põem em causa ideias anteriores, que remontam aos tempos de Aristóteles, que defendiam que os indivíduos mais criativos eram sempre detentores de perturbações psicológicas.

Voltando aos tipos de criatividade referidos por Simonton continuam a colocar-se as questões: o que os origina? e, porque têm resultados tão distintos? Em 2005, Schilling propôs(5) que a diferença está no tipo de associações que os indivíduos fazem entre conceitos — estas podem ser “típicas” ou “atípicas” consoante, respetivamente, a proximidade ou distância entre os conceitos. No segundo caso existe uma maior distância entre os conceitos associados e é possível que a nova ideia gerada seja do tipo big-c. É apenas uma possibilidade uma vez que, em muitos casos, uma nova ideia poderá ser transformacional a nível pessoal, mas não o ser a nível social. Em resumo: para uma nova ideia representar um avanço do tipo big-c é necessária uma associação “atípica”, entre conceitos pertencentes a categorias distintas, que não tenha sido anteriormente realizada pela sociedade em geral.

Kilgour afirma(1) que na comunidade cientifica é genericamente aceite que “as ideias criativas são sempre resultados de processos de pensamento convergentes ou divergentes”. Note-se que estes termos foram popularizados por Guilford(6), considerado por muitos o pai da pesquisa moderna na área da criatividade.

O mesmo autor afirma que a melhor forma de entender as diferenças entre os dois tipos de criatividade é através do domínio do conhecimento onde atuamos e de como ele pode ser abordado com processos cognitivos distintos:

  • Criatividade little-c: estamos na presença de um processo cognitivo convergente e estruturado de avaliação e reavaliação da informação pertencente a um mesmo domínio, ou seja, uma associação “típica” segundo Schilling(5). Este processo procura “recombinar e reorganizar a informação já existente num certo domínio do conhecimento”(1) de forma a responder a um desafio imediato;
  • Criatividade big-c: procuramos um processo cognitivo divergente, menos estruturado, ou seja, uma associação “atípica” onde deveremos “olhar para fora do domínio do conhecimento onde atuamos para desenvolver soluções que inicialmente não seriam vistas como apropriadas”(1).Enquadrando isto no seu pensamento Scott e Bruce (1994) concluíram(1),(7) que a criatividade small-c expande um domínio de conhecimento de forma linear enquanto a do tipo big-c irá redefinir por completo o domínio, os seus parâmetros e estrutura.Focando-se no pensamento divergente que está na origem da criatividade big-c, a professora universitária Leslie Owen Wilson (Universidade de Wisconsin-Stevens Point, EUA) adapta o trabalho do antropólogo australiano Francis Williams e identifica(8) os oito elementos essenciais à produção criativa divergente: fluência (gerar ideias diversas relacionadas com o domínio), flexibilidade (observar o problema de diferentes perspetivas), elaboração (conceptualizar globalmente novas soluções), originalidade, complexidade (compor a inovação em camadas de complexidade crescente), apetência ao risco (não ter receio de falhar), imaginação e curiosidade (analisar ideias de forma mais profunda na busca de algo mais e de possíveis relações com outras).

Nota final: foi abordado o modelo tradicional litte-c, big-c, no entanto, diversos investigadores como Kaufman e Beghetto (2009) afirmam(9) que este modelo está incompleto porque hoje, com o crescimento dos estudos na área da criatividade, sente-se a necessidade de enquadrar os tipos de criatividade em mais categorias como por exemplo as descritas no “Modelo dos Quatro C’s”(9). Este modelo procura, assim, evitar que se negligencie inadvertidamente o potencial criativo das crianças e/ou futuras vertentes da investigação na área.

Referências:

  1. http://cream.oulu.fi/tutkimus/documents/Kilgour_kkjouluk.pdf
  2. http://apa.org/monitor/nov03/creativity.aspx
  3. http://apa.org/monitor/nov03/plath.aspx
  4. https://jhupbooks.press.jhu.edu/content/creativity-and-madness
  5. https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2263076
  6. https://en.wikipedia.org/wiki/Convergent_thinking
  7. https://jstor.org/stable/256701?seq=1#page_scan_tab_contents
  8. http://thesecondprinciple.com/creativity/creativity-essentials/types-of-creative-thinking
  9. http://www.jamesckaufman.com/wp-content/uploads/2012/08/Kaufman-Beghetto-2009-Beyond-big-and-little-The-four-c-model- of-creativity.pdf